LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

domingo, 17 de abril de 2011

Garotos de fé




Você acredita em Deus? O Instituto de Estudos da Religião (Iser) fez essa pergunta a 800 brasileiros com idade entre 15 e 24 anos e 98% deles responderam sim. Trata-se de uma maioria acachapante, capaz de desarmar qualquer ceticismo em relação à religiosidade dessa geração. Talvez o correto seja dizer "espiritualidade", pois a fé é hoje muito mais uma questão de escolha pessoal do que era nos tempos do vovô, quando a garotada ia à igreja por imposição familiar e social. Os jovens hoje elegem a própria fé. "Como a decisão é deles, a religiosidade dessa geração tende a ser muito mais forte que nas décadas passadas", diz a antropóloga Regina Novaes, do Iser. Entre os que seguem alguma religião, 33% escolheram por decisão pessoal, independentemente da preferência familiar. Tanto é assim que dois em cada dez mudaram de religião ao menos uma vez.
Boa parte dos teens está olhando para a religião como se estivesse diante de uma prateleira de supermercado. "É como um serviço self-service, em que a pessoa escolhe a que mais a atrai", define Mário Sérgio Cortella, professor do departamento de teologia e ciências da religião da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Os teens sentem-se à vontade para experimentar. Eles acreditam em Cristo, nos orixás e até em duendes, tudo ao mesmo tempo. Sobra ainda espaço para a proliferação de crenças alternativas, cujo maior atrativo é o inusitado, como cura por cristais, invocação de anjos e bruxaria.
É curioso que isso esteja ocorrendo com os filhos de uma geração que, trinta anos atrás, fugiu da religião institucionalizada. O movimento atual é no sentido inverso, com o aumento nas hostes de fiéis. Metade dos freqüentadores dos cultos evangélicos tem menos de 24 anos. Missas católicas são agora animadas em ritmo de rock, tecno e rap. Há igrejas neopentecostais criadas especialmente para fiéis mais jovens. Uma delas, a Bola de Neve, usa uma prancha de surfe como altar. A tolerância religiosa é uma das características bem-vindas dos novos fiéis. Nesse aspecto, o budismo, que não exige exclusividade de seus praticantes, tornou-se a opção preferida de quem deseja freqüentar mais de uma religião ao mesmo tempo.


98%
dos 800 brasileiros com idade entre 15 e 24 anos ouvidos numa pesquisa disseram acreditar em Deus

Entre os que seguem alguma religião,
33%
escolheram sua fé por decisão pessoal, sem interferência da família

17%
deles tinham mudado de religião ao menos uma vez
 


Uma das características da religião é promover a integração social. Rapazes e moças vão à igreja ou ao templo e lá conhecem outros adolescentes que pensam como eles. Assim, formam grupos. Assistem aos cultos juntos, saem à noite, viajam. O lazer fica associado à religiosidade. "A maioria de meus amigos é daqui", diz a estudante paulista Ana Teresa Santos Cavalcante, de 17 anos, que freqüenta a igreja evangélica Bola de Neve. "Gostamos das mesmas coisas, fazemos os mesmos passeios, por isso nos damos tão bem", afirma ela.

               José Daniel Violante Filho, 17, de São Paulo
          Budista
O estudante paulista visitou pela primeira vez o centro budista Buddha's Light há um ano, com os amigos. "Fui por curiosidade", diz. Lá, praticou meditação, gostou e se tornou freqüentador. Ele mora na Zona Sul de São Paulo com os avós, que são católicos. "Eles vão à missa, mas eu não me identifico com a fé católica", comenta ele.


Joyce de Souza Cunha Melo, 18, de BH
Católica
A estudante mineira vai à missa uma vez por semana e é devota de São Josemaría Escrivá, fundador do Opus Dei. Acredita em milagres e já fez promessas, uma delas para passar no vestibular. Ela cursa o 1º ano de administração na Universidade Federal de Minas Gerais. Nem sempre foi assim. "Quando eu era mais nova, era superesotérica, acreditava em horóscopo",

William Silva, 18, de Itacaré, Bahia
Evangélico
Nascido numa família de católicos praticantes, William tornou-se evangélico há seis anos. Sua igreja, a Bola de Neve, é freqüentada sobretudo por jovens. Surfista desde criança, ele sempre reza antes de entrar no mar e pegar onda. Muitos de seus amigos usam drogas. "Eu não uso porque Deus não gosta dessas coisas", diz. "Vivo aconselhando meus amigos e às vezes consigo convencer alguns deles a largar o vício."

 Fonte: veja.com

8 comentários:

carolineferfoglia disse...

Caroline Fernanda N. Honório,1B.
Pra mim,eu acho uma hipocrisia. Porque as pessoas estão lá dentro da igreja,no culto...na missa,mas fora,elas não seguem á risca tudo o que a religião pede. Porque dentro da religião,na teoria,há muitas regras. Portanto eu acho meio estúpido alguém entrar dentro da igreja,cantar os cânticos,sair da igreja,e fazer tudo errado denovo. Por isso eu deixei de frequentar igrejas...pelo simples fato que,para se acreditar em Deus,não é preciso uma religião,muito menos uma igreja. Simplesmente ter fé...fazer suas orações,e seguir o TEU conceito de certo ou errado,pois quem vai ter que acertar contas com Deus é somente você. As pessoas julgam muito dentro da igreja,o jeito como tú fala,como tú se veste,que piercings usa...e eu acho isso errado. E ainda mais,toda religião,tem seu passado negro. Como a católica tem um passado muito duvidoso...muitas vezes por interesses políticos,de poder. RELIGIÃO É FUNDADA POR SERES HUMANOS,PECADORES. Não acho certo jurar "lealdade" a pecadores. Seja leal,fiel,somente a Deus,ninguém mais. Enfim...concluindo,eu não acho que uma pessoa,pra acreditar em Deus,e ter uma vida politicamente correta,tenha que frequentar uma igreja,ou ser parte de uma religião. A fé mora dentro de cada um. Religião é somente um paradigma da sociedade,algo que é imposto pra você desde criança. Se você resolve ser ateu,ou sem religião,como eu,é muito julgado. E isso é errado. Cada um pensa de um jeito =)

Julia disse...

*Julia*
VC nao pode generalizar as coisas, até pq nem todas as pessoas que estão na igreja, são de outro jeito do lado de fora. Eu por exemplo sou evangélica e procuro fazer o possivel para seguir os ensinamentos de Deus, eu tenho 16 anos e acredito q a geração de hj precisa de um encontro com Deus, pq depois que Jesus voltar nao vai mais adiantar se arrepender, e como vc mesma disse, cada um terá q acertar suas próprias contas com Deus. Mais se nao refletirmos agora, podemos nao ter tempo de nos arrepender...

D. disse...

Rodrigo Amaro Bezerra 1A

“Está a tornar-se claro que a religião está no coração de muitas guerras civis e batalhas internacionais. As pessoas parecem querer matar, mutilar, torturar e morrer pela crença religiosa ou espiritual que as faz acreditarem que a sua fonte de divindade é a única fonte…Considere: Em nome de Deus, um fatwa contra Salman Rushdie. Em nome de Deus, assassinato nos Balcãs. Em nome de Deus, o atentado à bomba do World Trade Center. Em nome de Deus, o sítio em Waco, Texas. Em nome de Deus, Hindus e Muçulmanos se matam na Índia. Em nome de Deus, guerras sangrentas entre Protestantes e Católicos na Irlanda. Em nome de Deus, Shi’itas e Sunnis estão se enforcando no Iraque e no Irã, tal como os Árabes e os Judeus no Oriente Médio. Em nome de Deus, um médico é assassinado porque acreditou no direito de escolha das mulheres. Em nome de Deus, o que está acontecendo?” Shirley MacLaine, citada em “2000 Anos de Descrença, Pessoas Famosas com a Coragem para Duvidar”, de James A. Haught, Prometheus Books, 1996

lucas disse...

professor queria saber por que tem pessoas que não acreditam em deus?
pois deus e a religião esta em todo o mundo

Manuel Vitor disse...

Manuel-1A

Minha dúvida é:
Como a igreja pode influenciar os jovens a praticar a religião?

lucas disse...

professor queria saber por que tem algumas pessoas que não agreditam no poter de deus e da igreja??
(lucas mancilha)

rhalyson disse...

Rhalyson 1A

Minha dúvida é:
Como a igreja ajuda os jovens a praticar mais a religião?

Mayara disse...

Mayara Medeiros Cepinho, 1º B.
Acho que é muito simples hoje em dia, a sociedade impor aquilo que acha correto ou errado. Portanto acho que se existe uma entidade maior que tudo nesse mundo, basta simplesmente acreditar nela. Pois acho que não é nada que você segue religiosamente, que vai me dizer quem realmente você. Acho que a sociedade espera que todos acreditam em algo, mais acho que devemos ser aquilo que queremos! E não algo por influencia de alguém. Então acho que religião é algo que temos que respeitar pois cada um tem sua opnião sobre tal assunto.