LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Atividade - Ética


Suponhamos a seguinte situação: Joana é uma bela jovem de quinze anos, estuda no 2º ano do ensino médio, é boa aluna, possui como qualquer jovem, muitos sonhos, dentre eles, formar-se em medicina, casar-se e ter dois filhos. Joana, em uma festa da escola, conhece Pedro, um jovem bastante simpático, que, assim como Joana, estuda no 2º ano do ensino médio e possui muitos sonhos. Os dois conversam, gostam um do outro e por isso decidem começar a namorar. No 2º mês de namoro, ainda escondidos de seus pais, Joana acaba engravidando, pois, nem ela nem Pedro tomaram o cuidado necessário. Para confirmar a gravidez eles vão até uma farmácia para fazer um exame de sangue, onde posteriormente é confirmada a gravidez, porém, também apontada uma algo que jamais poderiam esperar. Joana é portadora do HIV, logo seu filho também nascera portador e Pedro muito provavelmente, caso não tenha sido o transmissor, agora também, com razoável grau de certeza, também adquiriu o vírus. Agora desesperados, pois, enfrentam ainda muito jovens, a pior situação de suas vidas. Todos os seus sonhos agora se vêem duplamente comprometidos porque, ambos não dispõem de recursos para manter um filho e, infelizmente não poderão apelar a seus pais, porque os mesmos também enfrentam demasiado problema financeiro. O medo da morte em muito pouco tempo, naturalmente transcendeu todos os outros como o próprio medo de serem pais, mesmo sem condições morais e financeiras. Todavia, agora a situação ganhou novas proporções. Inicialmente era apenas uma gravidez, agora é uma gravidez onde se espera um filho já condenado.


Neste caso, o que você enquanto futura mãe, ou enquanto futuro pai faria? 
Esta questão deve ser trabalhada individualmente. Após a reflexão responda em seu caderno ou nos comentários do blog colocando seu nome completo e curso.
Esta atividade valerá um ponto na nota do quarto bimestre.

65 comentários:

Tathiana Mariano. disse...

Penso que neste caso, eu teria que conversar com os meus pais, mesmo que eles não tivessem como me ajudar, pelo menos eles estariam a par da situação e saberiam melhor como me ajudar a lidar com tudo aquilo que é novo duplamente, pela chegada de um filho e pela transmissão do HIV, tendo em vista que meus pais sempre iriam querer o melhor pra mim,por mais que a minha vida já estivesse "traçada", tenho certeza que eles me ajudariam a aproveitar muito o tempo de vida ainda restante e a chegada do bebê.

Raíssa Figueiredo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

eu na posição de mãe ia trabalhar para ter condições financeiras para cuidar desta doença . deixaria minha família a par da situação para poder me ajudar . afinal , aids não tem cura eu procuraria saber da doença para orientar minha filha futuramente.
tifany dias

Karen e Milena disse...

Realmente é uma situação bem complicada.. Não apenas pelo fato de se estar grávida muito cedo, mas também por ter contraído uma doença grave que pode matar! Em seu lugar primeiramente falaria com meus pais,porque querendo ou não eles querem apenas o nosso bem.. Teria esse bebê, iria tratar a doença para poder ter mais tempo para cuidar do meu filho =)

Anônimo disse...

Nesse caso se eu estivesse no lugar dela ou dele,acho que a melhor alternativa deles seriam contar a verdade de toda a história deles para os pais assim quem sabe os seus pais acabariam dando alguma outra alternativa,para tentar melhorar as condições dos dois jovens,e criar seu filho com muito amor carinho e cuidado.

Raíssa Figueiredo disse...

Bem, iria trabalhar duro, noite e dia, sucessivamente meu namorado também, para criar minha filha da melhor maneira possível, assim que ela nascesse, iria fazer todos os exames, comprar todos os remedios, e assim tomaria cuidado sempre para que a doença HIV futuramente não ficasse ''grave''

kelly kinoshita. 1ºano disse...

nessa situação, acho q primeiramente iria contar aos meus pais,pois eles saberiam o melhor para mim e para todos, logo iria me esforçar para melhoria do meu filho, cuidaria bem dele, acharia um jeito para melhor vida e saúde dele, tentaria ser uma boa mãe e me acostumar com a situação.

Victor Sibelino e João Augusto disse...

é complicado pois estão passando por uma situação complicada,pois eles não tem uma base financeira os pais deles passam dificuldade ou seja a solução é os dois continuarem estudando terminar a escola e se possivel fazer a faculdade mais tem o problema que é a doença porem vão ter que cuidar fazer de tudo para que isso n estrague suas vidas vai ser mais complicado viver mais não é impossivel

Ingryd, Ana, Gabrielly e Merência disse...

Bom isto é bastante complicado mas infelizmente hoje em dia já se tornou normal, na nossa opinião nós não abortaríamos, pois é uma vida a ser perdida... Se fizemos temos que ter a responsabilidade de assumir. Daríamos a vida para cuidar de outra. HIV não é um problema fácil, aliás não tem cura só tratamento

Agna Goulart disse...

Cuidaria da minha filha da melhor forma possível, deixaria meus pais a par da situação, pq iriam me dar conselhos e de alguma forma me ajudaria, iria trabalhar, no tempo da gestação, pra quando ela nascer ter tudo que eu poder dar. E em relação ao vírus HIV ela iria tomar todos remédios possíveis para que a doença não piorasse.

Anônimo disse...

Eu com 16 anos, HIV e filho, não saberia oque fazer, só ia tentar aproveitar minha vida o máximo que puder.
Rozon :)

Robson Pinto disse...

eu iria atras de um emprego e depois iria me tratar para ter condição para tratar minha familha








JuhGodoi disse...

(Ana Júlia Godoi 2º ano Publicidade)

Neste caso se a situação fosse comigo, eu procuraria ajuda de meus pais e junto a eles iria procurar orientação médica e tomar todo cuidado tanto com a minha saúde quanto com a saúde da criança que estaria por vir, que querendo ou não eu teria o dever de cuidar. Seria sim uma situação complicada porém eu teria que arcar com todas as minhas responsabilidades e ter consciência que errei ao não usar os devidos cuidado com o meu namorado.

Anônimo disse...

Acredito que uma conversa franca com os pais já traria um conforto ainda maior para a resolução do problema. Além disso, procurar ajuda de um médio especializado e tratamento gratuito seria uma solução. Preocupar-se com a criança primeiro é um dever, pois talvez a medicação imediata após o nascimento pode negativar o vírus (um teste feito em universidade conquistou essa possibilidade). E, claro, eles devem continuar juntos para fornecer suporte um ao outro.

Maria Luiza Neves
2ª C

Anônimo disse...

Pelo fato de a garota estar grávida e ser portadora de virus HIV, há quase 100% de chances de a criança nascer também portadora. Sem contar o fato de que o garota e garota estarem no ensino médio e os pais com dificuldades financeiras. Isso me faz tomar de decisão de interromper a gravidez, porque penso que não há porque continuar a gravidez sendo que não haverá dinheiro e estrutura para comportar tantos desafios - maternidade e paternidade precoce e uma doenca sem cura.
Débora 2C

Anônimo disse...

Primeiramente eu falaria para os meus pais, seria extremamente constrangedor e colocaria eles também em uma situação muito complicada. Mas pelo menos não me sentiria sozinha, sem o amparo deles que para mim seria importantíssimo. Depois tentaria me tratar, iria há justiça pedindo ajuda para que pelo menos tentassem salvar meu filho e a mim. E enquanto esperasse minha hora chegar prolongando com o tratamento que havia ganho, assumiria a responsabilidade de mãe. Tentando aproveitar o máximo de tempo com a criança que havia concebido.

Alessandra Monique 2°C Publicidade

Anônimo disse...

Conversaria com meus pais, assumiria a criança, tentaria achar um tratamento para a doença e começaria a trabalhar para ter condições melhores para criar meu filho.

Vitor 2º C

Anônimo disse...

Neste caso eu conversaria realmente com meus pais e contaria toda situação pois uma hora a mentira virá á tona.Talvez o vírus do HIV tenha como ser combatido em um dos dois pois o vírus leva 6 meses para eclodir já a criança pode ter salvação pois estudos atuais já mostram um método de cesariana aonde a criança não se contamina com o vírus.

Ana Elisa Santana disse...

Sinceramente acho que o fato de ser mãe jovem não afeta na realização dos sonhos, mas sim, no prazo em que eles vão demorar a se cumprir. A questão é quanto ao tratamento do HVI e como dar a notícia aos pais, porque bem ou mal, eles sendo mais experientes saberão como ajudar.
Em meio as dificuldades financeiras e tendo em vista o preconceito que vem pela frente, a melhor situação é procurar imediatamente um posto médico para se informar e buscar orientações de como agir. Depois será preciso correr atrás do prejuízo e ir trabalhar para poder mandar a criança (que por si só, já trará gastos) e a doença.

Gabriela Prianti disse...

Difícil dar uma opinião quando não estamos passando pela situação, porém eu acho que o mínimo que eu poderia fazer é explicar a situação para minha mãe, e ia tentar aceitar a doença e me tratar, procurar uma melhor qualidade de vida para mim e para minha família.

Anônimo disse...

Eu iria conversar com meus pais e com os pais do garoto, chegaríamos em um acordo sobre a situação e procuraríamos ajuda de um médico especializado.

Mariana Vilela
2º ano C

elias 2C disse...

Eu contaria toda a verdade para a minha família e para a dela. Iria procurar emprego para sustentar a minha familia que iria se formar agora, pedir opniões de médicos e ver o que é melhor fazer. E depois esperar a criança nascer para seguir a vida

Anônimo disse...

Nesse caso, eu conversaria com meus pais sobre a situação, faria de tudo para cuidar de mim e da criança, junto claro com o pai, e tentaria levar a vida o mais normal possível.


Jéssica Sardinha 2°C.

Anônimo disse...

Eu iria interromper a gravidez pelo fato de que a criança teria muitas chances de nascer com o vírus e isso prejudicaria a vida inteira dela, e alem disso os pais ainda não tem uma boa situação financeira, estão no 2ºano, ou seja, ainda tem que terminar o ensino médio para conseguir um bom emprego e tem Aids,então por mais que eles trabalhem a doença sempre vai atrapalhar.

Laís 2ºC

João Lima 2ºC disse...

Honestamente, observo esta situação não como surreal, mas como algo que sim, possa vir a acontecer e mediante ela, as saídas são poucas e as consequencias enormes. Tal situação provém não somente de atitudes impensadas de jovens. Obeservar por esse ponto de vista é tolice. O problema em nosso país é muito maior, devemos tomar esta situação extrema não como algo ímpar a ser solucionado, mas como exemplo de que enquanto não houver uma educação decente, uma alta cultura, métodos preventivos (não só a camisinha, informação é a melhor prevenção das consequencias da ignorância) e investimento na saúde pública não veremos realmente saídas viáveis para esse tipo de situação. Um caso como esse e a nossa falta de análises como saída para tal coisa só exemplifica mais ainda o que digo, não temos estrutura para prevenir e tratar esse tipo de situação, e num caso desses, o último culpado, são os tais jovens, como os culpados da tolice brasileira preferem apontar para omitir sua total falta de responsabilidade para com a população.

Karime Simão - 2° C disse...

Bom, primeiramente contaria o ocorrido para meus pais, ter um filho na adolescência já é um desafio, ainda mais quando se descobre que se contraiu o vírus HIV! Mesmo sabendo que eles não poderiam mudar nada do que ocorreu, pelo menos teria o apoio deles.
Eu correria atrás do "prejuízo", arranjaria uma forma de dar uma vida melhor para meu filho. Arrumando o emprego, tratando a doença e em fim, encarando o problema de frente.

Gabriela Prianti 2ºC Publicidade disse...

Difícil dar uma opinião quando não estamos passando pela situação, porém eu acho que o mínimo que eu poderia fazer é explicar a situação para minha mãe, e ia tentar aceitar a doença e me tratar, procurar uma melhor qualidade de vida para mim e para minha família.

Júlia Reis disse...

Conversaria primeiro com meus pais e assim tentaria procurar algum tratamento.

Ana Luiza e Eduarda disse...

Primeiramente antes de começar qualquer relação intima com alguem é necessario se previnir , pois a consequencia será um filho , pelo qual não é qualquer um que tem condições de manter . Seria uma situação dificil pela qual não tivesse mais como reverter , a solução era ter o filho e esperar as consequencias .

Isabella 2B disse...

Essa é uma situação muito delicada,talvez o certo a fazer,seria conversa com os meus familiares,pediria orientação e força. :s

isabella.2B

Anônimo disse...

CAMILA E ANA FLÁVIA

NOS IRIAMOS CONVERSAR COM NOSSOS PAIS, CONTAR TODA A HISTORIA, QUE ESTARIAMOS ESPERANDO UM FILHO, E O PIOR CONTAMINADAS PELO VÍRUS HIV, MAIS JAMAIS TIRARÍAMOS A CRIANÇA, PORTANTO IRIAMOS PROCURAR AJUDA MEDICA E TER UMA VIDA NORMAL NA MEDIDA DO POSSÍVEL.

Anônimo disse...

Primeiramente iriamos contar tudo aos nossos pais, pois ninguém melhor do que eles para nos ajudar nesta situação.Em relação ao filho e a doença não há muito o que fazer ,só tomar os devidos cuidados. E não necessariamente o portador do vírus irá morrer,pois há vários casos de pessoas que são portadoras porem fazem tratamento e vivem normalmente,tomando os devidos cuidados.
Pietra Mancilha e Laryssa Santos 2°B

jefferson disse...

EU PROCURARIA UM EMPREGO PARA SUSTENTAR MEU FILHO E TRATARIA O VÍRUS DO HIV PROPORCIONANDO A MELHOR VIDA POSSÍVEL PRA MINHA FAMILHA...

Anônimo disse...

Eu procuraria um emprego e trataria o HIV proporcionando a melhor vida possível para minha familha...

Anônimo disse...

Larissa Gagliano, Victória Carvalho e Yasmin Cristina. 2ºB - Administração.

A melhor coisa a se fazer seria: contar ao pais da gravidez e da doença descoberta, juntos procurarem uma forma de tratamento. Hoje em dia, há mais possibilidades de tratamento para quem não tem condições financeiras, e com o avanço de pesquisas sobre o HIV, aumentam a chances de cura e expectativa de vida.

Julia Martins disse...

Este situação é um tanto complicada para qualquer pessoa,eu não saberia o que fazer em relação a esse assunto,primeiramente procuraria meus pais,mesmo sabendo que eles desconhecem do meu namoro,e pediria conselhos de como passar por isso sem me desesperar. Em relação a doença procuraria um tratamento para conseguir diminuir o efeito.

Gabriela 2ºB disse...

Bem, nesse caso eu ficaria muito confusa, pelo fato de estar carregando uma outra pessoa dentro de mim e por também ser portadora de uma doença muito difícil por não ter cura e também de ser tratada. Algo que dificultaria bastante, seria se o namorado nao assumisse o que tinha feito. Primeiramente eu contaria para meus pais e pediria ajuda para ambos. Mas só posso afirmar que ficaria muito confusa

Anônimo disse...

eu assumiria a criança, e concerteza ficaria muito abalado pela doença, mas procuraria tratá-lo da melhor maneira para que eu possa viver o suficiente para criar o meu filho e ser um pai presente.
Helcias e Gerson

Aline Faria disse...

é uma situação bem complicada. Não apenas pelo fato de se estar grávida muito cedo, mas também por ter contraído uma doença grave que pode matar... ter uma conversa com os pais já traria um conforto ainda maior para a resolução do problema!

luis eduardo disse...

Eu iria procurar por um emprego para poder sustentar minha família, arrumar uma moradia boa para ter uma vida estável, e dar tudo de para a minha mulher e meu filho pois ambos tem HIV.

Campi disse...

Na situação deles eu iria primeiramente contar aos meus pais, eles com certeza iriam me dar muita força e apoio para resolver de melhor forma esses problemas

Anônimo disse...

eu tentaria conversa com meus pais, e explica a situação, mas sabendo que ele nao teriam dinheiro, mas ajudaria com conselhos
vinicius walter

Anônimo disse...

eu tentaria conversa com meus pais, e explica a situação, mas sabendo que ele nao teriam dinheiro, mas ajudaria com conselhos
vinicius walter

Anônimo disse...

eu tentaria conversa com meus pais, e explica a situação, mas sabendo que ele nao teriam dinheiro, mas ajudaria com conselhos
Ricardo Junior

Lais Lopes 1°B disse...

no lugar dessa menina, pra inicio de conversa nem teria ficado gravida, porque é muita irresponsabilidade ficar gravida antes de qualquer relação, tanto na amorosa, quando na financeira, mas se esse fosse meu caso, tomaria todas as medidas para resolver este problema, teria sim o filho, e faria o possível para ter uma "cura", já que hoje temos tantos meios que tornarão possível a cura da HIV

Anônimo disse...

eu assumiria a criança mesmo sendo uma gravidez complicada pois um filho ou um feto ja é um ser na terra,mesmo assim continua sendo um ser-vivo.
Pedro Costa- 1 ano de química.

Nando disse...

Primeiramente comunicaria meus país a respeito disso, e procurar manter a calma e não desesperar com a doença.

Ana Carolina Maciel disse...

Bom nesse caso primeiramente abriria o jogo com a minha familia assumiria meu erro e abriria o jogo com a familia do meu namorado também, mesmo que eles não pudessem me ajudar financeiramente eles poderiam me ajudar psicologicamente e poderiam me ajudar a achar uma solução, em caso em nenhum abortaria por que "é facil falar de aborto afinal você ja nasceu." não se tira uma vida assim , isso é um assunto muito serio que exige ser bem pensado !!!! enfim procuraria um emprego pra menor aprendiz e daria um jeito de sustentar meu filho e tratar da doença.

Cassiano disse...

Eu ficaria muito abalado com o ocorrido , pois além de ter "virado pai" , ter contraído HIV , seria uma situação realmente difícil , e a única coisa correta a fazer seria os pais ficar sabendo para não piorar a situação , pois uma hora ou outra eles iriam saber , e isso era inevitável. E depois , seguir a vida do jeito que desse , e tentar melhorar as situações.

joão Guilherme disse...

Correria atras do prejuízo trabalhando e ganhar dinheiro para cuidar da minha doença e do meu filho.

Anônimo disse...

Bom acho que se fosse o meu caso , eu iria com muito medo falar para meus pais , depois ir ao medico para poder saber como tratar esta HIV , e aceitar que agora estou esperando um filho!

Thaís Cardoso 1°B-Química disse...

Essa situação é extremamente complicada pois além da garota estar grávida,ainda por cima é portadora do vírus HIV. Eu,nesse caso,procuraria um tratamento para a doença e descobrir formas de amenizar a doença no meu filho. Contaria aos meus pais e temporariamente deixaria meus afazeres de lado para arrumar um emprego com o pai da criança,para conseguir um sustento para meu filho.

Matheus Ramos disse...

contaria tudo para meus pais para eu e eles acharmos uma solução para esse problema.

Letícia Moreira disse...

É uma situação muito complicada, ja que não é so pelo fato de ter engravidado na adolescência, mas por ter contraido a doença, isso tudo pode ter mudado completamente o futuro dessa pessoa por ter que arcar com as consequencias e responsabilidades de cuidar da doença, ja que não possui cura, e do filho, tambem nao deixar de contar tudo para os pais, porque pode dar uma grande ajuda pelo o ocorrido.

brisa disse...

contaria para os meus pais o que esta acontecendo comigo, com toda certeza eles me apoiariam e ajudariam para que eu enfrentasse a doença e tivesse o meu filho.

Anônimo disse...

William e Matheus - 1ºB INF

Nesta situação tentaríamos dar o máximo de apoio a garota, e tentar manter a situação sob controle, manteríamos o filho pois ninguém tem direito de tirar a vida do próximo, tomaríamos todas as precações para que a doença não tome da nossa vida a felicidade, e que possamos dar um pai e uma mãe a criança, que além de nascer numa situação complicada, precisaria do amor dos pais.

Soffia 1B - Quimica disse...

Em uma visão feminina da situação,eu ficaria desnorteada mas contaria para os meus pais,e faria o tratamento mais viavel para manter a criança e tentar ter uma vida saudável.É dificil se colocar no lugar de uma pessoa,só sabemos quando estamos no lugar dela.

Anônimo disse...

A situação bem dificil mas mesmo assim e um filho e todo filho tem o direito de receber muito carinho e muito amor pois nao seria uma doença q ia mudar meus sentimentos por ele e enfrentaria o mundo inteiro para ver ele feliz
Caio César 1 ano de Quimica

Anônimo disse...

Apesar de ser uma situação muito difícil, porque além da gravidez na adolescência, também estaria com uma doença grave, e que passaria para o meu filho. Primeiramente contaria a meus pais, pois apesar de tudo seriam eles que estariam ao meu lado ... Iria começar a trabalhar, para poder ter condições, por menor que fossem, de criar meu filho e fazer o tratamento da doença.
Gabriela Massud - 1ºB

Anônimo disse...

é uma cituaçao mto dificil , mas é um filho independente de ter problemas vo ter sempre muito carinho e muito amor por ele
Matheus Henrique 1 ano Informatica

Rafael Lima disse...

Se fosse o meu caso eu iria explicar tudo o que aconteceu para os meus pais . depois iria arranjar um trabalho para poder sustentar a minha nova família , e depois iria ao medico para poder tratar o vírus do HIV!

Thayná 1°B-Quimica disse...

Nesse caso,minha primeira atitude seria contar para os meus pais,para saber que eles vão estar do meu lado,depois iria procurar um tratamento para amenizar a doença,conversaria com o pai da criança para nós arrumarmos um emprego para darmos uma vida melhor para o nossa filho.

Anônimo disse...

Giovana Andrade :
Difícil me imaginar em uma situação dessa,mas a primeira coisa que faria seria contar para aos nossos pais,porque independente de qualquer coisa eles vão nos ajudar,e de um jeito ou de outro ficariam sabendo.Depois,conversaria bastante com eles e o namorado,e trabalharíamos muito,para termos condições de tratar a doença..não seria uma situação nem um pouco fácil,mas teríamos que ser responsáveis pelos nossos atos,e não jogar as responsabilidades,ou falta delas nas contas de ninguém,enfrentaríamos juntos,com dificuldades,mas teríamos o bebê e cuidaríamos dele o melhor possível.

Paulo Martins 1ºB-Química. disse...

É muito complicado opinar sobre essa situação mas se acontecesse comigo isso contaria aos meus pais, eles poderão orientar sobre o que deve ser feito e tentaria um tratamento para manter o vírus inativo já que ainda não existe um tratamento específico que cure totalmente o vírus HIV.

Anônimo disse...

Apesar dessa situçao dificil,eu teria de assumir a criança apesar das doenças,pois um filho e um ser que precisa de cuidados e se tivesse sido homen de fazer,teria que cuidar tambem!
Joao Buck 1° Ano B